Uma idéia assustadora - A Tribuna

 

Quando perguntamos a qualquer santista sobre a localização do Teatro Municipal, qual é a resposta? Canal 1. Aquário? Av. da praia, próximo ao canal 6. Beneficência Portuguesa? Canal 2. Poderia enumerar vários outro exemplos para demonstrar uma coisa: juntamente com a orla da praia, os canais são a principal referência urbanística de nossa cidade.

Quando leio no jornal que o prefeito Beto Mansur tem a pretensão de cobrir os canais para transformá-los em vias expressas, fico realmente assustado. Assustado não por ter em mente que as coisas de nossa cidade são intocáveis, que qualquer mudança deve ser evitada, mas sim porque uma idéia como essa não melhoraria em nada a qualidade de vida da nossa população.
Os canais que foram concebidos pelo grande engenheiro Saturnino de Brito, com finalidades sanitárias, com o tempo passaram a se identificar tanto com a nossa paisagem urbana que passaram a ser um referencial.

Qual seriam então as razões para cobri-los? Estão sujos? Talvez seja mais fácil limpá-los. Precisamos de vias expressas? Nós já as temos, pois as avenidas Ana Costa e Conselheiro Nébias são ligações centro-praia mais do que suficientes. Se elas vivem congestionadas isso se deve a incompetência da CET que não consegue sincronizar os semáforos e cria absurdas conversões à esquerda, e a falta de policiamento de trânsito, que possibilita que motoristas indisciplinados parem em locais proibidos ou em fila dupla nas portas de escolas. Se simplesmente fossem respeitadas as leis e a sinalização, essas duas avenidas somadas as pistas existentes nos canais dariam conta da situação. Isso para não falarmos do absurdo que são os pontos de ônibus ao longo dessas avenidas, muitas vezes colocados à distâncias inferiores a 200 m um dos outros.

Essas soluções sairiam muito mais baratas para os cofres públicos e com certeza se prestariam muito bem para resolver os problemas de trânsito, que volto a repetir, existem muito mais por ineficiência do que por falta de espaço.

Acredito que os canais possam receber alguns equipamentos urbanos, como por exemplo praças em alguns pontos determinados,ou também nos trechos junto a areia da praia, ou até mesmo sonhando um pouco, porque não torná-los navegáveis em alguns
pontos, criando assim mais uma atração turística ou mais uma alternativa de transporte coletivo.

De qualquer forma toda e qualquer intervenção que se pretenda fazer nos canais deve vir precedida de uma ampla discussão com toda a sociedade, principalmente com a comunidade técnica, que nunca se furtou a colaborar quando consultada.

As cidades são dinâmicas, mudanças para melhor devem acontecer sempre, são necessárias e bem vindas, porém tenho convicção que neste caso é muito mais importante manter espaço para qualidade de vida, representada por referênciais culturais, históricas e arquitetônicas, do que abrir espaço para vias expressas.


Jornal A Tribuna - Santos

© ​Maurício Azenha - Arquitetura  | T: (13) 3251.6090 |  C: (13) 99105.8472  |  arq.azenha@gmail.com

  • Instagram
  • facebook-square